Dores ou desconforto no peito podem ser sintomas de Angina. Saiba como prevenir.

 O que vem a ser a angina pectoris?

A angina de peito ou angina pectoris tem sua causa devido ao estreitamento das artérias que levam o sangue ao coração.

Este estreitamento limita a irrigação sanguínea causando uma deficiência no suprimento de nutrientes e de oxigênio ao coração.

Uma dor intermitente é percebida no peito, associada a uma sensação de pressão e desconforto. 

Estes sinais indicam uma condição de estreitamento das artérias do coração e como consequência faz com que o coração receba uma baixa quantidade de sangue.

Veja também:

6 sinais que podem indicar arritmia cardíaca

A angina mata. Saiba quais o sintomas?

O principal sintoma está na dor intermitente ou no grande desconforto e pressão no peito. 

Geralmente a dor é mais intensa durante a execução de alguma atividade física e decresce durante o repouso, entretanto há tipos de angina que podem causar dor mesmo quando a pessoa está em repouso ou dormindo, sendo uma dor que pode irradiar pela mandíbula e pelos ombros ou braços, sendo mais comum que ocorra pelo lado esquerdo do corpo.

O estresse emocional também pode agravar o quadro, além de outros fatores como o fato da pessoa estar de estômago cheio ou estar exposto a baixas temperaturas.

Tipos de angina: estável e instável

Angina estável

Surge geralmente quando o paciente executa alguma atividade física ou sofre algum estresse emocional, ocasionando um quadro onde o paciente sente uma dor no peito típica e previsível, que desaparece poucos minutos após ficar em repouso ou quando o paciente utiliza um medicamento que age dilatando as artérias coronarianas, como nitrato sublingual.

A angina estável tem como característica curtas durações, menos de 20 minutos e ser sempre ocasionada por esforços físicos de intensidade semelhante, mantendo-se por longos períodos na mesma classe (vários meses ou anos), onde desta forma, até o paciente já acaba prevendo qual o tipo de esforço que poderá desencadear aquela dor.

Angina instável

Caracterizada por apresentar um quadro de isquemia mais grave, ela pode surgir mesmo com o paciente em repouso. Outra característica é que a angina instável ocorre de forma imprevisível.

A dor anginosa tem duração superior a 20 minutos. Para distinguir clinicamente uma angina instável de um infarto agudo do miocárdio, exames como eletrocardiograma e a dosagem das enzimas cardíacas poderão ser necessários, pois os sintomas são praticamente iguais.

São grandes os riscos a curto/médio prazo de um paciente com angina instável evoluir para um quadro de infarto de miocárdio.

Angina tem cura? Quais os Tratamentos

O tratamento com medicação específica, geralmente é o procedimento mais comum.

Exitem quadros que exigem procedimentos cirúrgicos.

A implantação de pontes em artérias coronárias ou angioplastia são alguns exemplos destes procedimentos. 

Nestes procedimentos ocorrem a introdução de um balão inflado nas artérias coronárias estreitadas por um ateroma, com a finalidade de desbloquear ou expandir essas artérias, visando cessar o problema.

Angina de peito. Conheça algumas formas de prevenção.

Evite o tabagismo

Faça o possível para deixar o cigarro. Fumar desencadeia crises de angina pois o fumo sobrecarrega o coração fazendo com que este trabalhe com mais vigor.

Veja também:

O tabagismo, seus efeitos nocivos e as doenças

Evitar o sobre peso - Obesidade

Não busque por dietas milagrosas e de efeito duvidoso, o que poderá ser mais um agravante para sua saúde.

Você está no seu peso ideal? Veja também:

Saiba qual é o seu Índice de massa corporal ideal

O ideal é procurar reduzir o peso de forma saudável. Isto poderá ser conseguido através bons hábitos alimentares. 

Se houver dificuldade, procure um endocrinologista ou um nutricionista.

Veja também: 

13 motivos para você ter que procurar um endocrinologista.

Pratique atividades físicas

Não deixe a prática de exercícios físicos de lado. Converse com o seu médico para saber quais são as atividades mais condizentes para o seu quadro clínico.


Procure evitar situações de estresse

Incorporar na sua rotina a prática de atividades que possam contribuir para a redução dos níveis de estresse é fundamental. 

Estas atividades podem ser exercícios de meditação, ioga, hobbies, praticar trabalhos voluntários, etc.

Evite a ingestão de álcool

Caso não consiga evitar, procure ingerir menos de duas doses por dia. Uma dose de bebida destilada equivale a um copo de vinho por exemplo.

Monitore sua pressão arterial

O ideal é realizar uma consulta com o seu médico cardiologista periodicamente. 

Nestas consultas você terá um acompanhamento mais amplo e assertivo. 

Veja também:

Reduza o risco de Acidente Vascular Cerebral (AVC). Conheça as dicas de prevenção


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Infecção Vaginal por fungos: O que toda mulher deveria saber.

8 grupos de risco para o Hipotireoidismo. O hipotireoidismo pode matar.

Entenda o que é a Cardiomegalia (Coração Grande), as causas, sintomas e os tratamentos.

Como reverter a perda muscular na velhice.

Conselho Regional de Medicina: Como consultar o CRM do médico.